28.4.11

William Mcfee





















“O cristianismo começa onde a religião termina - com a ressurreição.”

Carlo Dossi





















“Entre todos, o melhor sistema filosófico é o de Jesus: o sistema da benevolência.”

Thomas Jefferson





















“Se as doutrinas de Jesus sempre tivessem sido pregadas como a pureza de quando saíram de seus lábios, todo o mundo civilizado seria atualmente cristão.”

Pascal





















“Cristo morreu de braços abertos, para que nós não vivamos de braços cruzados.”

Ernest Renan





















“A história inteira é incompleta sem Jesus.”

O tradutor de Deus




















O relacionamento entre Jesus e Deus era muito mais profundo do que um encontro diário. O nosso Salvador estava sempre atento à presença de seu Pai. Ouça as palavras dEle:

“Na verdade, na verdade vos digo que o Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma; como ouço, assim julgo.” (Jo 14:11)

“Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma; como ouço, assim julgo.” (Jo 5:30)

“Estou no Pai, e o Pai em mim.” (Jo 14:11)

Jesus mostrou claramente que Ele não agia a menos que visse seu Pai agir. Ele não julgava até que ouvisse seu Pai julgar. Nenhum ato ou feito acontecia sem a direção de seu Pai. Suas palavras possuem o som de um tradutor.

[...] Quando andava por esta terra, Jesus "traduzia" Deus durante todo o tempo. Quando Deus falava mais alto, Jesus também falava mais alto. Quando Deus fazia algum gesto, Jesus fazia o mesmo. Ele estava em tão perfeita sintonia com o Pai, que pôde declarar: "Estou no Pai e o Pai em mim" (Jo 14:11). É como se ele estivesse ouvindo uma voz que as outras pessoas não ouviam.

[...] Por ser capaz de ouvir o que os outros não eram capazes, Ele agia de uma maneira diferente das outras pessoas.

Lembra-se da ocasião em que todos se perturbaram por causa do homem que nasceu cego? Jesus não. De alguma maneira Ele sabia que a cegueira poderia revelar o poder de Deus (Jo 9:3). Lembra-se de quando todos estavam agitados a respeito da doença de Lázaro? Jesus não estava. Ao invés de apressar-se para visitar o amigo que se encontrava no leito de enfermidade, disse: "Esta enfermidade não é para a morte, mas para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela" (Jo 11:4). Era como se Jesus fosse capaz de ouvir algo que ninguém mais fosse capaz de ouvir. Como seria possível um relacionamento ser mais íntimo? Jesus possuía uma comunhão ininterrupta com seu Pai.

Você acredita que o Pai deseja o mesmo para nós? Sim, é absolutamente verdade. Deus deseja ter com você a mesma intimidade que tinha com seu Filho. (LUCADO, Simplesmente como Jesus, 1999,p. 74,75)

Está escrito
















1 Não julgueis, para que não sejais julgados.

2 Porque com o juízo com que julgais, sereis julgados; e com a medida com que medis vos medirão a vós.

3 E por que vês o argueiro no olho do teu irmão, e não reparas na trave que está no teu olho?

4 Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu?

5 Hipócrita! tira primeiro a trave do teu olho; e então verás bem para tirar o argueiro do olho do teu irmão.

Mateus 7:1-5

Diga [expressamente] não as drogas - Não seja curioso

27.4.11

Crescer
















Cultivar uma vida de oração (João 15.7)

Revigorar-se pela leitura diária da Palavra de Deus (Atos 17.11) 

Estar sempre disposto a obedecer à vontade de Deus (João 14.21)

Ser uma testemunha fiel, no viver e no falar (Mateus 4.19 e João 15.8) 

Consagra a Deus seu corpo, tempo e talentos (I Coríntios 6.19-20)

Esperar de Deus a orientação para a sua vida (I Pedro 5.7)

Revestir-se do poder do Espírito Santo para a vida vitoriosa (Atos 1.8 e Gálatas 5.16-17)

Está escrito





















15 “E disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui.”  

Lucas 12:15

Está escrito
















15 E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.

16 Quem crer e for batizado será salvo; mas quem näo crer será condenado.

Marcos 16: 15 e 16

25.4.11

Está escrito

















1 "A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira."

Provérbios 15:1

Não perca a cabeça durante os seus afazeres diário[trabalho], tenha sempre uma resposta branda para dar as pessoas que estão ao seu redor. Isso só vai lhe trazer felicidades. Sei que não é fácil, mas você vai conseguir, peça forças ao TODO-PODEROSO. Coloque em prática a sabedoria cristã que você recebe lendo a Palavra de Deus. Amém!

Editor

24.4.11

John Piper & Sovereign Grace Ministries - A canção do Evangelho

Jesus a Luz do mundo



















"Dispõe-te, resplandece, porque vem a tua luz, e a glória do Senhor nasce sobre ti. Porque eis que as trevas cobrem a terra, e a escuridão, os povos; mas sobre ti aparece resplendente o Senhor, e a sua glória se vê sobre ti” (Is 60.1-2).

A palavra “luz” é destacada pelo profeta Isaías. O que é a “luz”? Todos sabemos que a luz é a ausência de trevas, mas devemos entender que a questão aqui é a separação entre a luz e as trevas. Lemos já no início da Bíblia: “…e (Deus) fez separação entre a luz e as trevas” (Gn 1.4b). Deus não eliminou as trevas, Ele as separou da luz. Portanto, uma segunda palavra-chave que devemos lembrar é “separação”.
A vinda de Jesus significa exatamente isso: separação! Ou você crê e aceita que Jesus Cristo veio em carne, viveu uma vida sem pecado e sacrificou a si mesmo, derramando Seu sangue na cruz do Calvário pelos seus pecados, e que assim você tornou-se um filho da luz; ou você rejeita essa verdade eterna e continua sendo um filho das trevas.
O versículo inicial não diz apenas “eis que as trevas cobrem a terra”, mas prossegue: “e a escuridão, os povos”. Essa é a realidade em nosso mundo. Por exemplo, dificilmente podemos imaginar a terrível escuridão em que viviam os terroristas-suicidas islâmicos que seqüestraram os aviões de passageiros no dia 11 de setembro de 2001 e os lançaram contra edifícios ocupados por milhares de pessoas inocentes. Por que eles fizeram isso? Sem dúvida, eles estavam convencidos de que seu ato era justificado; para eles, essa era a coisa certa a fazer. Eles criam firmemente que, no momento da morte, seriam trasladados para a glória do paraíso. Entretanto, tal convicção religiosa não é baseada na verdade; ela tem seu fundamento na imaginação do coração maligno dos homens seduzidos pelas “trevas”.
As Escrituras, entretanto, não dizem que apenas as pessoas que cometem tais crimes horrendos vivem nas trevas, pois lemos: “…a escuridão [cobre] os povos”. Isso significa que todos os povos do mundo vivem em trevas.
A escuridão é algo terrível, porque ela impede que vejamos qualquer coisa. Por exemplo, se você entrar no porão de uma casa ou em outro lugar escuro durante a noite, sem dispor de uma luz, correrá sério perigo de se machucar. É isso que a Bíblia nos comunica: todas as pessoas na terra estão em sério perigo, não apenas em sua vida presente, mas também quanto à eternidade. Portanto, é extremamente importante que você se chegue à luz.
Quando Jesus, a luz do mundo, o Verbo (a Palavra) de Deus, fez-se carne e habitou entre nós, Ele ofereceu a luz a todos, dizendo: “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8.12). João, porém, declarou: “A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela.” Jo 1.5. Por que as trevas não prevaleceram? Encontramos a resposta para essa importante questão em João 3.19-20: “O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más. Pois todo aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não serem argüídas as suas obras”.
O nascimento de Cristo, somente pode tornar-se efetivo em sua vida, se você sair das trevas e vier para a luz. Sem isso, sua vida será apenas como uma peça teatral tradicional – na verdade, tola e comercial.
As palavras de Isaías 60.1-2 são dirigidas a Israel. A luz era e é Jesus Cristo, o Filho de Deus, o Messias de Israel e Salvador do mundo. A oferta da luz e da separação foi feita inicialmente aos judeus. Ela era destinada a Israel, que, entretanto, rejeitou a Jesus. Assim, Ele voltou-se para os gentios. Isso torna-se bem evidente no versículo 3: “As nações (os gentios) se encaminham para a tua luz…” Portanto, as palavras do versículo 2b ainda aguardam seu cumprimento final: “mas sobre ti (Israel) aparece resplendente o Senhor, e a sua glória se vê sobre ti”. Isso ainda não ocorreu com Israel, de modo que deverá cumprir-se no futuro.
No mesmo capítulo, o profeta Isaías proclama: “Também virão a ti, inclinando-se, os filhos dos que te oprimiram; prostar-se-ão até às plantas dos teus pés todos os que te desdenharam e chamar-te-ão Cidade do Senhor, a Sião do Santo de Israel” (Is 60.14). Atualmente, acontece o contrário: Israel continua odiado e oprimido. Os árabes têm um só objetivo: a destruição do Estado judeu. Eles dizem que o sionismo deve ser eliminado. Entretanto, isso não acontecerá. No final, todos os povos chamarão Jerusalém de “Cidade do Senhor, a Sião do Santo de Israel”.
Finalmente, o profeta afirma: “Nunca mais se ouvirá de violência na tua terra, de desolação ou ruínas, nos teus limites…” (v. 18). Virá o tempo em que Israel será a nação dedicada ao Senhor, exatamente como está registrado nas Escrituras. Israel será um louvor a Deus em meio a todos os povos da terra. Somente então a verdadeira paz prevalecerá em todo o globo. O Príncipe da Paz governará “com cetro de ferro” (Ap 19.15) e não irá tolerar qualquer rebelião. Todos os povos estarão sujeitos à autoridade do Senhor dos senhores e Rei dos reis, Jesus, o Crucificado. Então, finalmente, Lucas 2.14 será uma realidade mundial: “…paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem”.
Esse tipo de vida continua inimaginável nos dias em que vivemos, porque o mundo inteiro jaz nas trevas. Entretanto, existe uma excessão: a paz interior individual e pessoal que você pode experimentar agora. Mesmo nestes tempos turbulentos, essa paz que “excede todo o entendimento” (veja Fp 4.7) está disponível para você. Tenha uma verdadeira experiência de vida neste ano! Jesus disse: “Assim também agora vós tendes tristeza; mas outra vez vos verei; o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém poderá tirar” (Jo 16.22). adaptado do artigo de (Arno Froese – http://www.apaz.com.br/)

Como viver até os 100 anos?

23.4.11

Martinho Lutero e os reformadores














Texto: Lourenço Gonzales


Daniel 8: 12
“...e lançou a Verdade por terra; fez isso e prosperou.”
A Verdade, como já dissemos, é:

DEUS (Isa. 65:16);

JESUS CRISTO (João 14:6);

ESPÍRITO SANTO (João 16:13);

BÍBLIA (João 17:17);

OS 10 MANDAMENTOS (Sal. 119:142).

Portanto: Negar ou matar a Cristo; usurpar o lugar de Deus; olvidar a atuação do Espírito Santo; substituir a Bíblia e modificar a Lei Moral é “lançar a Verdade por terra.”


Quando Daniel profetizou isso (600 a.C.), a verdade estava de pé.

Ou seja:

- Os judeus foram separados como nação eleita para ser a luz dos povos.

- O templo era a Igreja (Êxo. 25:8).

- O evangelho era o Sistema Sacrifical que prefigurava o Messias, e a Lei Moral era a norma de conduta.

- O Espírito Santo, embora atuante, não fora dado de forma clara, o que só ocorreu no Pentecostes ao ser Jesus glorificado no Céu pelo Pai (João 17:5).

No Pentecostes se deu a obra inaugural do Espírito Santo como sucessor de Jesus.


Os anos se passaram. O Messias chegou, e mataram-nO.

Mas, no ano:
31 d.C. (morte de Cristo) a Verdade estava de pé.


58 d.C. Ainda permanecia de pé sustentada por Paulo (Atos 20:29 e 30).


62 d.C. Paulo adverte veementemente: II Tess. 2:3 e 4

- (O apóstolo define quem tentaria contra a Verdade para lançá-la por terra).


100 d.C. Morre João, o último dos apóstolos. A Verdade ainda está de pé.


200/300 d.C. Ainda permanece de pé, toda a Verdade de Deus.


321 d.C. Ocorre a conversão nominal do imperador Constantino ao cristianismo (apenas uma manobra política para lhe assegurar a permanência no governo).


Em 7/3/321 d.C. celebra ele o famoso edito dominical que iria abrir a porta às leis dominicais futuras (veja este decreto na página nº 96). Posteriormente afirmou: “Juntar-se à igreja ou perder a vida.”


364 d.C. No Concílio de Laodicéia a Igreja Romana transferiu definitivamente a solenidade do Sábado para o domingo.


503/508 d.C. Nestes anos, consolidou-se a posição religiosa de apostasia total. Abria-se o caminho para a “abominação assoladora”. O papado contava com o apoio eclesiástico (no Sínodo de 503 d.C. em Roma, o Papa foi declarado como o substituto de Deus não podendo ser julgado por pessoa alguma).

Recebeu também o apoio civil (503 a 508 d.C.) através de Clóvis (Clodoveu) rei dos Francos que, aceitando o cristianismo por influência de sua esposa cristã, Clotil de, torna-se ardoroso defensor do papado, lutando contra todos os povos hostís ao Papa. Isto lhe valeu o título de “filho mais velho da Igreja Católica”.
533 d.C. Justiniano, imperador de Roma Oriental, com sede em Constantinopla, declara o papa como o “cabeça de todas as igrejas”, passando o papado a dominar a Europa.


538 d.C. Exatamente neste ano foi expulso de Roma o último poder opositor do papado – os Ostrogodos. Com sua queda desenvolveu-se notadamente a supremacia papal. Virgílio, bispo de Roma, torna-se o 1º papa com jurisdição temporal. A verdade que, paulatinamente, já vinha sendo modificada, sob este poder, seria, definitivamente, lançada por terra.
A profecia de Daniel 8:12 se locupleta na de Paulo (II Tess. 2:3 e 4), senão, veja o que diz a História Universal:   
No ano 321 d.C. - mudança do Sábado para o domingo.

370 d.C. - culto aos santos.

400 d.C. - oração pelos mortos e sinal da cruz.

500 d.C. - origem do purgatório.

609 d.C. - culto à virgem Maria.

758 d.C. - confissão auricular.

787 d.C. - culto às imagens.

880 d.C. - canonização de santos.

998 d.C. - festa de finados.

1.190 d.C. - venda das indulgências.

1.215 d.C. - consagrada definitivamente a confissão auricular.

1.220 d.C. - adoração à hóstia.

1.414 d.C. - uso de cálice só para sacerdotes.

1.563 d.C. - o Concílio de Trento determina que a tradição tem o mesmo valor que a Bíblia, e aceita como canônicos os livros apócrifos.

1.870 d.C. - é declarada a infalibilidade do papa quando fala ex-cátedra, pelo Concílio Vaticano.


O mundo então mergulhou em densas trevas. Foi retirada a Bíblia da mão do povo e colocadas em seu lugar as tradições romanas. As consciências foram cauterizadas no engano. Superstições inventadas, ninguém raciocinava livremente, dominados que foram pelo poder católico romano. Todos viviam receosos da bula papal. Reis, príncipes e o povo comum temiam a excomunhão da santa Sé. Vieram então os cismas e as indulgências. A intolerância religiosa estabelecida por Roma Cristã obliterou a visão de um Deus amoroso, piedoso, misericordioso e compassivo.


Eis que surge o século XVI, e com ele, o embrião da Reforma Protestante. Muitos homens santos deram suas vidas em favor da Verdade no intuito de restaurá-la; antes e depois deste século, são eles:


Wiclef: Reformador inglês, cognominado a“estrela da manhã dos Reformadores”. Traduziu a Bíblia do latim para o inglês em 1.380 d.C. Seu protesto veemente foi contra a venda de indulgências. Seus ossos foram parar na fogueira.

Jerônimo e João Huss, dois expoentes máximos da Reforma; em defesa da verdade foram também devorados pela fogueira.

Willian Tyndale, suscitou o ódio dos prelados ao traduzir as Escrituras Sagradas para o idioma materno. Por ordem de Carlos V da Alemanha, foi ele estrangulado no dia 6 de Outubro de 1536 e queimado num poste de Vilvorde, próximo a Bruxelas.

Martinho Lutero,

Reformador alemão. A estrela central da constelação imarcescível dos valorosos reformadores. Quando ele subia de joelhos os degraus da “escada de Pilatos” em Roma, uma voz lhe soou aos ouvidos: “O justo viverá pela fé” (Rom. 1:17). Olhou para todos os lados. Nada viu. Continuou. A voz cálida repetiu-se: “O justo viverá pela fé”. Não mais duvidou. De pronto, levantou-se. Lutero cria nas torturas e sacrifícios, isto é, na justificação pelas obras como o tinha aprendido na Igreja Católica.

Interrompeu imediatamente sua via-crucis pois entendera a voz e a mensagem divinas. Penitências, obras de qualquer espécie, promessas, sacrifícios de auto flagelação, nada disso pode justificar a ninguém (Isaías 64:6). Correu até sua igreja em Vitemberg na Alemanha e colocou 95 teses contrárias à Igreja Católica (31/10/1517) e por isso foi levado aos tribunais da Santa Sé.

“Retrata-te herege”, vociferavam bispos e padres. De quê? Serenamente perguntava este homem de Deus: “Provem pela Bíblia meu erro!” (E pode??).
Lutero foi salvo pelo Senhor para desencadear o grande processo de restauração das Verdades que estavam lançadas por terra. E começou pela Bíblia. Traduziu-a para o alemão em 1.534 d.C., e mais tarde fundou a Igreja Luterana. Mas,
• Continuou guardando o domingo;
• Crendo que na morte da pessoa, saía-se-lhe a alma; (imortalidade);
• E praticando o batismo por aspersão (água na cabeça).

Lamentavelmente, a Reforma de Lutero, conquanto providencial e necessária, foi uma Reforma incompleta. Julgá-lo? Quem?!


Um homem que se levantou sozinho contra um Sistema Eclesiástico poderoso que dominava o mundo. Como também exigir dele, que viveu apenas 63 anos, uma reforma total das Verdades que foram lançadas por terra há milênios?


Agradeçamos à Deus por Martinho Lutero, a bênção de ter restaurado a autoridade da Bíblia e a grande verdade da justificação pela fé. A sua sinceridade nos leva a entender que, 1.300 anos de engano, efetivamente lhe ofuscaram a visão espiritual concernente ao Sábado, pois temos dele o seguinte testemunho:


“É muito surpreendente para mim que alguém possa afirmar que eu rejeito a Lei ou os Dez Mandamentos... Não conheço nenhum modo em que nós não os usemos... Pois quem poderia saber que, e por que, Cristo sofreu por nós, sem saber o que é pecado ou a lei? Portanto, a Lei precisa ser pregada onde quer que Cristo for pregado.” – Martinho Lutero, Luther’s Works (Filadélfia: Fortress Press, 1971), vol. 47, págs. 109 e 113.

Portanto, como cada época da história teve sua Verdade Presente, a Verdade Presente na era de Lutero foi a justificação pela fé.

Nenhuma outra Verdade poderia ser restaurada em primeiro lugar senão essa; porque ao povo havia sido ensinado que o perdão se comprava com dinheiro (indulgências). E o livro do profeta Daniel estava “selado” ainda.
O certo é que, com Lutero, a igreja começou a ser despertada do sono milenar para novamente adentrar o caminho da verdade e santidade. Importava seguir em frente. Raios de fulgurante luz espancavam as espessas trevas dos ensinos pervertidos e das práticas pagãs de Roma papal. Porém, ainda que a Reforma surgisse em hora gloriosa, o restabelecimento de todas as Verdades não se deu.


Era exigir demais que os Reformadores abandonassem todos os erros de seus antepassados, ou que eles restaurassem todas as Verdades “lançadas por terra”.


Todo o conjunto de Verdades divinas alteradas milenarmente pela igreja dominante teriam que ser gradativamente restauradas, e não todas de uma vez.


Efetivamente, algumas verdades estavam ocultas aos seus olhos, aguardando outra oportunidade para serem restauradas ao seu primitivo fulgor, fato que está plenamente de acordo com os reclamos da profecia.


O batismo por aspersão (infantil) é um exemplo. Deus o aceitou até que a forma original pudesse brandir as trevas e se revelar, também fulgurante. Quando este batismo (gotas de água na cabeça) era a luz que os crentes tinham, ou seja, não compreendiam com exatidão a verdadeira forma de batizar, Deus aceitava sua fidelidade à luz então crida. Daí, a certeza de que a pessoa só será responsável pelo conhecimento que teve da verdade em sua época. Ela só prestará conta da luz recebida e vivida, segundo o esclarecimento obtido.


Pois bem, as Igrejas Reformadas que se seguiram à Luterana, também não complementaram a Reforma, por isso mesmo continuaram iguais, todas guardando o domingo, crendo na imortalidade inerente da alma e batizando por aspersão.


Só em 1.609, a Igreja Batista restaurou outra Verdade que foi o batismo por imersão e só de adultos. Daí para frente, nenhuma igreja mais fez nenhum progresso no sentido de restaurar as Verdades que ainda se encontravam no “chão”.

Evidentemente, Martinho Lutero nem ninguém poderia contrariar a profecia. A restauração de todas as Verdades só se daria quando chegasse o tempo predito na profecia, isto é: o Tempo do Fim, 1844 (leia à pág. 424). Dan. 8:12, 14, 17, 19, 26. Deus cuidou para que a profecia se cumprisse tal qual encontrada na Bíblia. Deus espera que os cristãos do final deste século, sejam os valentes atalaias de Sião, defensores da Verdade.


VERDADES CONFIRMADAS NO TEMPO DO FIM
• Bíblia Sagrada sem os livros apócrifos.
• Justificação pela fé.


VERDADES RESTAURADAS

a partir de 1844, pela Igreja Adventista do 7º Dia:

TEMPERANÇA (ampla reforma pró-saúde).
• Abandono de carnes imundas.
• Abandono de cigarros e bebidas alcóolicas.
MORTALIDADE DA ALMA
•A alma é o homem. Ele não abriga algo que se desprende ou se desgarra na morte.
SANTA CEIA
• Lava-pés, puro suco de uva e pão ásmo (sem fermento).
LEI DE DEUS
• Restauração de todos os Dez Mandamentos. (aqui está o Sábado). Etc.

OBSERVAÇÃO: O Sábado não poderia ser restaurado antes do cumprimento da profecia. O tempo do fim começou no século XVIII e não no século XVI quando se deu a Reforma Protestante. – A Bíblia está certa, a História Universal confirma. Amém!

Mark W. Baker





















“A pessoa verdadeiramente sábia é humilde. Jesus nunca escreveu um livro, sempre falou por meio de parábolas e conduziu as pessoas à verdade através do seu exemplo vivo.”

19.4.11

Rogério Reis - Incomum

Campanha contra a pornografia

Superação

Está escrito

















39 Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal[perverso]; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;

40 E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;

41 E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.

42 Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.

Mateus 5: 39-42

Wolfgang Amadeus Mozart





















“Lembre-se, Jesus Misericordioso, que sou o motivo da sua viagem.”

Meio fora de moda

Estes meninos não foram notícia de jornal.

Afinal, eles não são testemunhas da CPI, do DETRAN, do Metrô, nenhum deles têm cartão corporativo, nenhum dos dois arremessou a Isabela pela janela, apenas foram tomados por um sentimento que anda meio fora de moda   ...

SOLIDARIEDADE





















Se todos fossem como esses meninos…

Está escrito





















Provérbios 28:7 O que guarda a lei é filho sábio; mas o companheiro dos comilões[de libertinos] envergonha a seu pai.

Provérbios 10:1 Provérbios de Salomão. Um filho sábio alegra a seu pai; mas um filho insensato é a tristeza de sua mãe. 

Até quando você dará preocupações para os seus pais? Será que não está na hora de você dar alegrias para os seus pais, que tanto investiram na sua educação?

Editor

17.4.11

chat – um ringue na igreja

chat – um ringue na igreja Pt.1



chat – um ringue na igreja Pt.2



chat – um ringue na igreja Pt.3

15.4.11

O gene homeobox

Tomás de Kempis





















“Muitos seguem a Jesus até a distribuição do pão, mas poucos até beberem o cálice da paixão.”

Com disposição suscetível ao ensino

















Assim diz o Senhor: Ponde-vos à margem no caminho e vede, perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho; andai por ele e achareis descanso para as vossas almas. Jer. 6:16.

Depois de pedir ao Senhor conhecimento de Sua vontade, sabedoria celestial, luz do Espírito Santo, o suplicante examinará as Escrituras e verificará que as passagens que eram obscuras ao seu entendimento repentinamente se tornaram claras, e ele compreende seu dever como nunca antes. Jesus disse: “O Meu ensino não é Meu, e sim dAquele que Me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade dEle, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se Eu falo por Mim mesmo.” João 7:16 e 17.
O conhecimento da verdade divina é prometido aos que querem obedecer à luz e à verdade que lhes foram dadas. A entrada pela porta estreita não depende da posse de erudição ou riquezas, mas da posse de um espírito suscetível ao ensino. Aquele que aprecia o primeiro raio da luz celestial e dele se apropria, e anda nele, colocando suas ações em harmonia com esse raio de luz, e sendo santificado por seu intermédio, receberá mais luz ainda. Compreenderá que o evangelho é o plano de salvação. …
Quem tem coração obediente, que está disposto a fazer a vontade de Deus, não somente receberá prazerosamente a verdade, mas procurará diligentemente a verdade como a um tesouro escondido. Aproximar-se-á das Escrituras com espírito humilde e dócil, buscando compreender como pode andar na luz, e dizendo: “Senhor, que queres que faça?” Atos 22:10. Está disposto a sacrificar toda e qualquer coisa, se preciso for, para poder estar em harmonia com a vontade de Deus.
Nem sempre é fácil prestar obediência à vontade de Deus. Entrar pela porta estreita e andar no caminho apertado que conduz à vida eterna requer firmeza de propósito, pois de todo lado há vozes convidando a alma para atalhos e caminhos proibidos. Os que amam a riqueza, a honra e a posição elevada não entrarão pela porta estreita, a menos que se desfaçam de seus ídolos. Não há espaço para entrar pela porta estreita levando consigo as coisas deste mundo.
Quem quer entrar pela porta estreita precisa fazer uma consagração completa de si mesmo a Deus. Jesus declara: “Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-Me.” Mat. 16:24. Review and Herald, 28 de março de 1912.


Reavivamento e Reforma

13.4.11

Procurando tesouros
















O reino dos Céus é semelhante a um tesouro oculto no campo, o qual certo homem, tendo-o achado, escondeu. E, transbordante de alegria, vai, vende tudo o que tem e compra aquele campo. Mat. 13:44.


Em nosso tempo, a igreja tem, em grande parte, se contentado com as verdades superficiais da revelação, tornadas tão claras e fáceis de ser compreendidas, que muitos têm pensado que elas proviam tudo que era essencial, e estão satisfeitos em aceitá-las. Mas o Espírito Santo, influindo na mente, não permitirá que ela permaneça em ociosidade. Ele desperta intenso desejo pela verdade não corrompida com o erro e falsas doutrinas. Verdades celestiais recompensarão o pesquisador diligente. A mente que de fato está desejosa de conhecer o que é verdade não pode estar satisfeita na indolência.

O reino dos Céus é comparado “a um tesouro oculto no campo, o qual certo homem, tendo-o achado, escondeu. E, transbordante de alegria, vai, vende tudo o que tem e compra aquele campo”. Ele o compra para que possa trabalhá-lo, lavrar cada uma de suas partes e tomar posse de seus tesouros. Compete ao Espírito Santo dirigir esta procura e recompensá-la. Enquanto escava o campo, o pesquisador encontra veios do precioso minério de que procura calcular o valor, e aprofunda a escavação, para encontrar tesouros ainda mais valiosos. Assim se descobrem muitos ricos filões. Os campos auríferos da Terra não se acham tão entremeados de veios do precioso minério como o campo da revelação de filões que apresentam as insondáveis riquezas de Cristo.
O Senhor deseja que cada um de Seus filhos que crêem seja rico na fé; e este é o fruto da atuação do Espírito Santo no coração. Do coração o Espírito opera para o exterior, desenvolvendo um caráter que Deus possa aprovar. Que vasto campo dos tesouros da verdade Cristo acrescentou ao domínio da fé, para que fosse apropriado por Seus discípulos! Necessitamos de maior fé se queremos ter melhor conhecimento da Palavra. O maior empecilho para recebermos a iluminação divina é não confiarmos na eficiência do Espírito Santo. Ellen G. White 1888 Materials, págs. 1.537 e 1.538.


Reavivamento e Reforma

10.4.11

O que significa temer a Deus?





















Três aspectos da vida cristã resumem o sentido dessa pergunta

" O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que O temem, e os livra" ( Sl 34:7)
"Se sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar" ( 1 Pe 5:8).

Os dois textos acima são complementares. O primeiro é uma linda promessa e o segundo, uma séria advertência para cada um de nós.
Neste mundo tão perigoso, saber que temos proteção divina é, no mínimo, um alívio. E quando combinamos os dois textos, temos alegria maior ainda. O alerta feito na carta de Pedro nos diz que existe um inimigo sempre pronto a nos devorar, assim como um leão faminto tenta devorar a presa.
Duas expressões são importantes nesses textos: "redor" e "derredor". O anjo está ao redor e o diabo está em derredor. Podemos perceber uma clara progressão nessas expressões. Temos um amigo protetor bem próximo de nós, mas logo após ele há um inimigo querendo nos destruir.
Enquanto o anjo estiver ao nosso redor, estaremos seguros, mas no momento em que o anjo sair de seu lugar, o inimigo terá acesso direto à nossa vida e estaremos correndo perigos de consequências eternas.
O Salmo 34:7 nos mostra como desfrutar permanentemente a companhia do anjo do Senhor. Ele está ao redor dos que temem a Deus. Portanto, devemos nos preocupar em compreender o que significa temer a Deus. Inicialmente, devemos saber que o temor nesse texto não significa medo. No sentido bíblico, temer é algo muito mais amplo.
Temer a Deus envolve, pelo menos, três aspectos da vida cristã: adoração, amor a Deus e serviço. Se compreendermos esses aspectos, poderemos temer realmente a Deus e desfrutar Sua constante companhia e proteção.


Adoração

Adorar a Deus é mais do que um ato: é um estilo de vida. Portanto, devo adorar a Deus desde a hora em que acordo até a hora de dormir.
Quero destacar três aspectos relacionados à adoração.
*O primeiro é apresentado no Salmo 66:4 (NVI): " Toda a Terra Te adora e canta louvores a Ti, canta louvores ao Teu nome."
O ato de adorar envolve cantar louvores a Deus. A música é uma maravilhosa forma de adorar o Criador. Por isso, precisa estar em harmonia com a vontade de Deus expressa em Sua Palavra. O critério para a escolha da música de adoração não deve se basear em gosto pessoal, mas na vontade de Deus. " A música, quando bem utilizada, é uma grande bênção; mas, quando usada erroneamente, é uma terrível maldição" ( Ellen G. White, O Lar Adventista, p.408). Por isso, cumpre-nos analisar cuidadosamente os critérios recomendados pelos textos inspirados, a fim de que utilizemos músicas compatíveis com a vontade de Deus.
*O segundo aspecto da adoração é mencionado em Gênesis 22:5:" Então, disse a seus servos: Esperai aqui, com o jumento; eu e o rapaz iremos ate lá e, havendo adorado, voltaremos para junto de vós".  Adoração envolve entrega total. O versículo anterior mostra o contexto dessa emocionante história: Abraão estava subindo o monte para sacrificar seu filho. Como adorar a Deus numa situação como essa? A verdadeira adoração consiste em submissão irrestrita à vontade de Deus. Abraão não compreendia todo o significado da ordem divina, mas adorar a Deus consiste em obedecer-Lhe mesmo quando não entendemos tudo quanto está implícito no que Ele pede.
*O terceiro aspecto é revelado em Deuteronômio 26:10:" Eis que, agora, trago as primícias dos frutos da terra que Tu, ó Senhor, me deste. Então, as porás perante o Senhor, teu Deus, e te prostrarás perante Ele". O ato de adorar envolve fidelidade nos dízimos e nas ofertas.

Amar a Deus

Temer a Deus tem que ver com outro aspecto da vida cristã: amá-Lo. Falar de amor em nossos dias pode nos levar a uma concepção errada, pois esse, muitas vezes, é considerado um sentimento vulgar. A palavra amor é usada em todo relacionamento passageiro e superficial, mas o amor a Deus implica compromisso e vai além de mero sentimento.
Um aspecto do ato de amar a Deus se encontra em Deuteronômio 11:13:" amar o Senhor, vosso Deus, e [servi-Lo] de todo o vosso coração e de toda a vossa alma". Cumpre-nos amar a Deus, sem restrições, com tudo o que temos e somos. Às veses, isso não é fácil porque envolve abrir mão das coisas de que gostamos.
Outra faceta do amor a Deus é mencionada em Deuteronômio 11:22:" andando em todos os Seus caminhos". Andar nos caminhos de Deus requer submissão, porque nem sempre os caminhos do Senhor são os nossos caminhos. Quando isso ocorre, precisamos ter humildade para aceitar a vontade de Deus.
Em Deuteronômio 11:1, lemos:"Amarás, pois, ao Senhor, teu Deus, e todos os dias guardarás os Seus preceitos, os Seus estatutos, os Seus juízos e os Seus mandamentos". Do ponto de vista bíblico, amor e obediência andam de mãos dadas. Jesus afirmou: " Se Me amais, guardareis os Meus mandamentos". ( Jo 14:15). "Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, se amamos a Deus e praticamos os Seus mandamentos" ( 1Jo 5:2). Portanto, amar a Deus é prestar estrita obediência a todos os Seus mandamentos. "Qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos" (Tiago 2:10).
  
Servir a Deus

Deuteronômio 10:12 revela o terceiro aspecto do temor a Deus:"Agora, pois, ó Israel, que é que o Senhor requer de ti? Não é que temas o Senhor, teu Deus, e andes em todos os Seus caminhos, e O ames, e sirvas ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e de toda tua alma?" O verso 20 complementa:"Ao Senhor, teu Deus, temerás; a Ele servirás, a Ele te chegarás, e pelo Seu nome, jurarás."
O espírito de serviço é uma característica da vida do cristão que teme a Deus. Infelizmente, é comum vermos pessoas cuja única atividade religiosa consiste em ir à igreja e assistir às reuniões. Não são ativos na causa de Deus. Obviamente, nem todos podem pregar, mas Deus concedeu diversos dons à igreja e cada membro deve trabalhar de acordo com os dons que recebeu. Quem não serve a Deus não O teme.
Quando eu era criança, estudei em uma escola localizada numa área espaçosa. Era tão grande que, para percorrê-la, era necessário um carro. Meus colegas tinham a mania de pegar carona nas Kombis que passavam em frente ao prédio de aulas. Minha mãe sempre me advertia, pedindo que eu não fizesse a mesma coisa, para evitar acidentes. Em respeito a ela, eu obedecia às recomendações, Mas, cert odia, decidi pegar uma carona. Caí, quebrei dois dentes e, ao retornar para casa, passei pelo conntrangimento de ter que dizer à minha mãe o que havia acontecido.
Às vezes, agimo assim com Deus. Dizemos que O tememos, mas nossos atos demonstram o contrário.
Precisamos da proteção de Deus em meio às investidas de Satanás. Mas essa proteção é prometida às pessoas que O temem. Ou seja, a todos os que O adoram e amam, aos que Lhe obedecem e a Ele servem.

por Felippe Amorim, texto extraído da Revista Adventista de março de 2011 na pág.15, pelo Site Bíblia e a Ciência.

7.4.11

Eventos finais

Introdução



Parte 01



Parte 02



Parte 03



Parte 04



Parte 05



Parte 06



Parte 07

6.4.11

Indicações medicinais da uva

















A segunda fruta mais cultivada no mundo tem tudo de bom para o coração.Vejamos algumas indicações:

Afecções cardíacas em geral: A uva é recomendável e mtodas as afecções cardíacas pelos seguintes motivos:
*Provê energia em forma de açúcares simples, que o músculo cardíaco utiliza para contrair-se. Embora a principal fonte de energia para o coração sejam os ácidos graxos, esse órgão também utiliza a glicose. O suco de uva se mfermentar, chamado "mosto" em diversos lugares, contém as mesmas substâncias cardioprotetoras que se encontram no vinho, mas em maior concentração e sem o inconveniente do álcool etílico. A uva e seu suco fornecem açúcares e vitaminas muito energéticos, os quais não estão presentes no vinho.
*É rica em potássio e também contém cálcio e magnésio, minerais que intervêm nas contrações cardíacas.
*Não contém sódio nem gordura saturada, os dois principais inimigos do sistema cardiovascular.

Afecções das artérias coronárias: Pesquisas realizadas com a uva e seu suco mostram que ambos são capazes de dilatar as artérias, fazer que o sangue circule mais fluido, sem que se formem coágulos. Suas prioridades impedem que o colesterol se deposite nas paredes das artérias. Não se pode esperar mais de um alimento protetor do coração e do sistema circulatório.
O doente coronário que consome uvas de forma habitual durante o verão e o outono, e uvas-passas ou suco de uva durante o restante do ano, percebe que seu coração responde cada vez melhor a pequenos esforços. Os que sofreram infarto e estão em fase de reabilitação devem incluir a uva em sua dieta, para diminuir a progressão da asteriosclerose coronária.

Trombose: A tendência do sangue a formar coágulos dentro das artérias ou veias, pode ser reduzida pelo consumo de uva, suco ou uva-passas. Isso é especialmente importante para quem tenha sofrido acidente vascular cerebral, ou esteja em situação de risco.

Anemia por falta de ferro: A uva é uma das frutas frescas mais ricas em ferro (0,26 mg/100 g). A uva-passa, como está mais concentrada, é ainda mais rica em ferro ( 2,59 mg/ 100 g), superando a carne de carneiro ( 2-2,5 mg/ 100 g ). O ferro da uva é do tipo não hem, e por si só se absorveria com mais dificuldade que o ferro da carne. Entretanto, sua absorção melhora muito pela ação potencializadora da vitamina C, presente na própria uva ou em outros alimentos vegetais. Todos que tiverem tendência à anemia por falta de ferro, melhorarão com o consumo habitual de uva durante os meses de verão e outono, e com o de uva-passas no restante do ano.

Afecções hepáticas: A fruta ativa a função de desintoxicação do fígado, aumentando a produção de bílis ( ação colerética). A uva também facilita a circulação do sangue no sistema portal, pelo que convém em caso de cirrose e ascite ( líquido no ventre) devido à hipertensão portal.

Afecções intestinais: A uva é um laxante suave que combate a prisão de vente crônica devido à preguiça intestinal. Também equilibra a flora intestinal e evita as putrefações causadas por alimentação rica em proteína animal.

Afecções renais: Por sua ação diurética e descongestionante, e por sua composição mineral e carência de proteínas, a uva é muito recomendada em caso de insuficiência renal devido à nefrite, nefrose ou outras causas.

Gota e excesso de ácido úrico: A uva é bom eliminador de ácido úrico dos rins, por sua ação alcalinizante e diurética. O tratamento de uvas e seu consumo habitual são muito recomendáveis aos que sofrem de artrites e aos obesos.

Processos cancerosos: Foi comprovado experimentalmente que o Resveratrol contido na uva, especialmente na casca, exerce ação antitumoral. Embora o uso dessa substância, em caso de câncer, ainda se encontre em fase de pesquisa, recomenda-se o consumo abundante de uva como medida complementar a todos aquele que tiveram diagnóstico de câncer ou aos que apresentam risco elevado de contraí-lo.

Fitoquímicos presentes na uva

Ácidos orgânicos: ( tartárico, málico, cítrico e outros). São os responsáveis pelo sabor ligeiramente ácido da uva. Esses ácidos exercem uma ação paradoxal no sangue, alcalinizando-o. A alcalinização do sangue e da urina facilita a eliminação dos resíduos metabólicos, que em sua maior parte são ácidos, como o ácido úrico.

Flavonóides: Recentemente comprovou-se que atuam como potentes antioxidantes, impedindo a oxidação do colesterol causador da asteriosclerose e evitando a formação de trombos ou coágulos nas artérias.

Resveratrol: Detém a progressão da asteriosclerose. Recentemente, comprovou-se que também é poderoso anticancerígeno.

Antocianinas: São pigmentos vegetais presentes na uva branca e, sobretudo, na escura. Atuam como potentes antioxidantes preventivos das afecções cardiovasculares.

Em essência, pode-se dizer que a uva é um alimento que fornece energia a nossas células e favorece o bom estado das artérias, especialmente das coronárias que irrigam o músculo cardíaco. Também é laxante, antióxica, diurética, antianêmica e antitumoral.
Artigo extraído da Revista Vida e Saúde de Junho de 2009 da pág. 46 e 47

5.4.11

Daniel 2





















Daniel 2:1 No segundo ano de seu reinado, Nabucodonosor teve sonhos; sua mente ficou tão perturbada que ele não conseguia dormir.
Daniel 2:2 Por isso o rei convocou os magos, os encantadores, os feiticeiros e os astrólogos[3] para que lhe dissessem o que ele havia sonhado. Quando eles vieram e se apresentaram ao rei,
Daniel 2:3 este lhes disse: “Tive um sonho que me perturba e quero saber o que significa[4]”.
Daniel 2:4 Então os astrólogos responderam em aramaico ao rei: [5] “Ó rei, vive para sempre! Conta o sonho aos teus servos, e nós o interpretaremos”.
Daniel 2:5 O rei respondeu aos astrólogos: Esta é a minha decisão: se vocês não me disserem qual foi o meu sonho e não o interpretarem, farei que vocês sejam cortados em pedaços e que as suas casas se tornem montes de entulho.
Daniel 2:6 Mas, se me revelarem o sonho e o interpretarem, eu lhes darei presentes, recompensas e grandes honrarias. Portanto, revelem-me o sonho e a sua interpretação.
Daniel 2:7 Mas eles tornaram a dizer: “Conte o rei o sonho a seus servos, e nós o interpretaremos”.
Daniel 2:8 Então o rei respondeu: Já descobri que vocês estão tentando ganhar tempo, pois sabem da minha decisão.
Daniel 2:9 Se não me contarem o sonho, todos vocês receberão a mesma sentença; pois vocês combinaram enganar-me com mentiras, esperando que a situação mudasse. Contem-me o sonho, e saberei que vocês são capazes de interpretá-lo para mim.
Daniel 2:10 Os astrólogos responderam ao rei: Não há homem na terra que possa fazer o que o rei está pedindo! Nenhum rei, por maior e mais poderoso que tenha sido, chegou a pedir uma coisa dessas a nenhum mago, encantador ou astrólogo.
Daniel 2:11 O que o rei está pedindo é difícil demais; ninguém pode revelar isso ao rei, senão os deuses, e eles não vivem entre os mortais[6].
Daniel 2:12 Isso deixou o rei tão irritado e furioso que ele ordenou a execução de todos os sábios da Babilônia.
Daniel 2:13 E assim foi emitido o decreto para que fossem mortos os sábios; os encarregados saíram à procura de Daniel e dos seus amigos, para que também fossem mortos.
Daniel 2:14 Arioque, o comandante da guarda do rei, já se preparava para matar os sábios da Babilônia, quando Daniel dirigiu-se a ele com sabedoria e bom senso.
Daniel 2:15 Ele perguntou ao oficial do rei: “Por que o rei emitiu um decreto tão seve­ro?” Arioque explicou o motivo a Daniel.
Daniel 2:16 Diante disso, Daniel foi pedir ao rei que lhe desse um prazo, e ele daria a interpretação.
Daniel 2:17 voltou para casa, contou o problema aos seus amigos Hananias, Misael e Azarias,
Daniel 2:18 e lhes pediu que rogassem ao Deus dos céus que tivesse misericórdia acerca desse mistério, para que ele e seus amigos não fossem executa­dos com os outros sábios da Babilônia.
Daniel 2:19 Então o mistério foi revelado a Daniel de noite, numa visão. Daniel louvou o Deus dos céus
Daniel 2:20 e disse: Louvado seja o nome de Deus para todo o sempre; a sabedoria e o poder a ele pertencem.
Daniel 2:21 Ele muda as épocas e as estações; destrona reis e os estabelece. Dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos que sabem discernir.
Daniel 2:22 Revela coisas profundas e ocultas; conhece o que jaz nas trevas, e a luz habita com ele.
Daniel 2:23 Eu te agradeço e te louvo, ó Deus dos meus antepassados; tu me deste sabedoria e poder, e me revelaste o que te pedimos, revelaste-nos o sonho do rei.
Daniel 2:24 Então Daniel foi falar com Arioque, a quem o rei tinha designado para executar os sábios da Babilônia, e lhe disse: “Não execute os sábios. Leve-me ao rei, e eu interpretarei para ele o sonho que teve”.
Daniel 2:25 Imediatamente Arioque levou Daniel ao rei e disse: “Encontrei um homem entre os exilados de Judá que pode dizer ao rei o signifi­cado do sonho”.
Daniel 2:26 O rei perguntou a Daniel, também chamado Beltessazar: “Você é capaz de contar-me o que vi no meu sonho e interpretá-lo?”
Daniel 2:27 respondeu: Nenhum sábio, encan­tador, mago ou adivinho é capaz de revelar ao rei o mistério sobre o qual ele perguntou,
Daniel 2:28 mas existe um Deus nos céus que revela os mistérios. Ele mostrou ao rei Nabucodonosor o que acontecerá nos últimos dias. O sonho e as visões que passaram por tua mente quando estavas deitado foram os seguintes:
Daniel 2:29 Quando estavas deitado, ó rei, tua mente se voltou para as coisas futuras, e aquele que revela os mistérios te mostrou o que vai acontecer.
Daniel 2:30 Quanto a mim, esse mistério não me foi revelado porque eu tenha mais sabedoria do que os outros homens, mas para que tu, ó rei, saibas a interpretação e entendas o que passou pela tua mente.
Daniel 2:31 Tu olhaste, ó rei, e diante de ti estava uma grande estátua: uma estátua enorme, impressionante, e sua aparência era terrível.
Daniel 2:32 A cabeça da estátua era feita de ouro puro, o peito e o braço eram de prata, o ventre e os quadris eram de bronze,
Daniel 2:33 as pernas eram de ferro, e os pés eram em parte de ferro e em parte de barro.
Daniel 2:34 Enquanto estavas observando, uma pedra soltou-se, sem auxílio de mãos, atingiu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmigalhou.
Daniel 2:35 Então o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro foram despedaçados, viraram pó, como o pó da debulha do trigo na eira durante o verão. O vento os levou sem deixar vestígio. Mas a pedra que atingiu a estátua tornou-se uma montanha e encheu a terra toda.
Daniel 2:36 Foi esse o sonho, e nós o interpretaremos para o rei.
Daniel 2:37 Tu, ó rei, és rei de reis. O Deus dos céus concedeu-te domínio, poder, força e glória;
Daniel 2:38 nas tuas mãos ele colocou a humanidade, os animais selvagens e as aves do céu. Onde quer que vivam, ele fez de ti o governante deles todos. Tu és a cabeça de ouro.
Daniel 2:39 Depois de ti surgirá um outro reino, inferior ao teu. Em seguida surgirá um terceiro reino, reino de bronze, que governará toda a terra.
Daniel 2:40 Finalmente, haverá um quarto reino, forte como o ferro, pois o ferro quebra e destrói tudo; e assim como o ferro despedaça tudo, também ele destruirá e quebrará todos os outros.
Daniel 2:41 Como viste, os pés e os dedos eram em parte de barro e em parte de ferro. Isso quer dizer que esse será um reino dividido, mas ainda assim terá um pouco da força do ferro, embora tenhas visto ferro misturado com barro.
Daniel 2:42 Assim como os dedos eram em parte de ferro e em parte de barro, também esse reino será em parte forte e em parte frágil.
Daniel 2:43 E, como viste, o ferro estava misturado com o barro. Isso significa que se buscarão fazer alianças políticas por meio de casamentos, mas a união decorrente dessas alianças não se firmará, assim como o ferro não se mistura com o barro.
Daniel 2:44 Na época desses reis, o Deus dos céus estabelecerá um reino que jamais será destruído e que nunca será dominado por nenhum outro povo. Destruirá todos os reinos daqueles reis e os exterminará, mas esse reino durará para sempre.
Daniel 2:45 Esse é o significado da visão da pedra que se soltou de uma montanha, sem auxílio de mãos, pedra que esmigalhou o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro. “O Deus poderoso mostrou ao rei o que acontecerá no futuro. O sonho é verdadeiro, e a interpretação é fiel”.
Daniel 2:46 Então o rei Nabucodonosor caiu prostrado diante de Daniel, prestou-lhe honra e ordenou que lhe fosse apresentada uma oferta de cereal e incenso.
Daniel 2:47 O rei disse a Daniel: “Não há dúvida de que o seu Deus é o Deus dos deuses, o Senhor dos reis e aquele que revela os mistérios, pois você conseguiu revelar esse mistério”.
Daniel 2:48 Assim o rei colocou Daniel num alto cargo e o cobriu de presentes. Ele o designou governante de toda a província da Babilônia e o encarregou de todos os sábios da província.
Daniel 2:49 Além disso, a pedido de Daniel, o rei nomeou Sadraque, Mesaque e Abede-Nego administradores da província da Babilônia, enquanto o próprio Daniel permanecia na corte do rei.

Dormir pouco pode gerar inflamações













Os benefícios de uma boa noite de sono são inumeráveis. Quem dorme melhor evita muitas enfermidades. A conclusão é de pesquisadores da Universidade da Califórnia de Los Angeles. Depois de medir em voluntários os níveis do fator nuclear NF_KB, que sinaliza a existência de inflamações em adultos saudáveis, eles concluíram que não dormir bem aumenta os processos inflamatórios do corpo, levando o sistema imunológico a se voltar contra tecidos e órgãos sadios. Os voluntários foram avaliados após uma noite normal de sono, depois de uma noite em que ficaram acordados das 23 horas às 3 horas da manhã, e depois de uma noite de recuperação da noite anterior maldormida.

Texto extraído da Revista Vida e Saúde de Junho de 2009 pág.6.

4.4.11

Rich Mullins




















“Nunca se esqueça do que Jesus fez por você. Nunca despreze o que isso custou a Ele. E nunca pense que se custou a Ele sua própria vida, que isso não vá a sua.”

Pacto com Deus
















Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus. Romanos 6:11

Estávamos na Fazenda das Panelas, e o irmão José, o patriarca da família, começou dizendo:

– Meu povo... Vocês viram com que trabalho nossos pastores vieram até aqui, atravessando rios sem pontes, atoleiros, descendo a serra com esta máquina (referia-se ao carro) por esses caminhos cheios de pedras, para nos batizar.

– Agora, quero que vocês prestem bem atenção no que vou falar: amanhã é o dia da nossa morte... Portanto, se alguém de vocês pensa em ser batizado e logo depois abandonar o novo caminho que aceitamos e voltar às velhas práticas erradas de antes, não seja batizado, então. Nunca devemos nos esquecer do que o irmão Cícero nos disse ao nos instruir, que o batismo é um compromisso que fazemos com Deus e que com Deus não se brinca.

– Vocês sabem muito bem que quando assumimos um compromisso com uma pessoa – continuou o irmão José – fazemos questão de cumprir à risca. Quanto mais com Deus. Por acaso, algum de vocês, meus filhos, teria a coragem de trair nosso Senhor?... Agora, vamos cumprimentar os nossos pastores.

No dia seguinte, houve um lindo sábado de primavera, cheio de sol. A natureza parecia estar em festa! Ouvindo os cantos dos pássaros e o dueto das seriemas nos campos distantes, descemos às águas. E naquelas claras águas de um rio de cerrado, por entre pedras e cascalhos, tive o privilégio de batizar trinta e sete preciosas pessoas, aos olhos de Deus e aos nossos também.

Jamais me esquecerei da felicidade estampada nos rostos daqueles queridos irmãos. Voltei mais duas vezes àquele lugar. Nenhuma apostasia havia, ao contrário, mais pessoas havia para serem batizadas. Pela graça de Deus, quero, lá no Céu, me encontrar com esses irmãos da Fazenda das Panelas. Eles entenderam o pacto que fizeram com Deus.

O batismo nas águas é uma experiência inesquecível para o cristão. "Vemos aqui que a salvação oferecida por Deus, em Cristo, deve ser aceita pessoalmente [...] em um ato concreto de entrega pela fé – o ato de ser batizado em água [...] No batismo, Deus atua, unindo oficialmente nossa alma à de Cristo, vestindo-nos com a Sua justiça, conferindo-nos o poder do Espírito Santo, e declarando diante do Universo que nos tornamos filhos do Rei celestial, membros da família real e da igreja de Cristo" (LaRondelle, O Que é Salvação [Tatuí, SP.: CPB], p. 83). Que privilégio!


REFLEXÃO: "Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com Ele viveremos" (Rm 6:8).

3.4.11

Música “poeira” de Ivete Sangalo é uma armadilha

















Vejam sob uma ótica bíblica o significado da música POEIRA da IVETE SANGALO

O adversário de nossas almas (Satanás) é muito astuto e muitas vezes nos prepara armadilhas bem simples para todos nós. Uma destas é a MÚSICA, [quando usada para esse itento].

Muitos conhecem bem o refrão da música, mas nunca parou para prestar atenção à letra. Trata-se da música: Poeira de Ivete Sangalo:

A minha sorte grande foi você cair do céu
Minha paixão verdadeira

É lindo teu sorriso,
O brilho dos teus olhos
Meu anjo querubim

Chegou no meu espaço mandando no pedaço
Um amor que não é brincadeira

Pegou me deu um laço
Danço bem no compasso, de prazer,
Levantou poeira

Vejamos os detalhes que passam despercebidos:

Foi você cair do céu: quem foi que caiu do céu? Apocalipse. 12:9 diz: "E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, que se chama o Diabo e Satanás, que engana todo o mundo; foi precipitado na terra, e os seus anjos foram precipitados com ele."

Meu anjo querubim: isto confirma que está se referindo a um anjo e confirma que é Satanás,
pois descrevendo a Satanás antes de sua rebelião, Ezequiel. 28:14, 15 diz: "Tu eras o querubim, ungido para cobrir, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti. "

Chegou no meu espaço, mandando no pedaço: quem será que quis adoração só pra si? Querendo mandar em quem os anjos e humanos deviam servir.

Pegou me deu um laço: que é descrito em 1 Pedro 5:8: "Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar. "

Precisamos estar atentos, pois o adversário tenta de todas as formas nos tragar. Precisamos sempre clamar e orar ao Senhor para continuarmos a sermos mais do que vencedores, e assim, jamais seremos abatidos se estivermos com o Sangue Poderoso do nosso Cristo Jesus sobre nossas vidas.

Fonte: http://gospelhomeblog.blogspot.com/2008/04/mensagem-subliminar-em-msica-de-ivete.html

2.4.11

O grande engano do espiritualismo

















O fascínio pelo mundo do espírito é cada vez maior. Pessoas alegam experimentar coisas bizarras como o sentimento de que um animal de estimação pula em sua cama quando ali não há nenhum bicho; ou uma pessoa sente o cheiro de flores quando um ente querido morre a muitos quilômetros de distância, e não existe nenhuma flor ao redor. Outros alegam ter poderes especiais: um ”dom de percepção extra-sensorial” para ler a história da vida dos outros, incluindo o passado, presente e futuro; ou capacidade para “canalizar” vibrações de energia do mundo do espírito para a cura de doenças físicas e de problemas emocionais; ou habilidade para ajudar outros a entrar em contato com vidas passadas.

No mundo inteiro, pessoas de quase todas as religiões, incluindo cristãos, muçulmanos, hindus e budistas, acreditam que a vida continua após a morte. Essa crença abre a porta para a instalação de uma série de fenômenos sobrenaturais estranhos. Alimentando esse engano, há narrativas de pessoas que dizem ter passado por experiências de “quase morte” Livros, filmes e outros veículos de comunicação fazem sugestões sutis (às vezes nem tanto) a respeito da vida após a morte. Em geral, essa mensagem vem revestida de linguajar humorístico e aparentemente inocente. Alguns vêem isso como um entretenimento não prejudicial, sem perceber que ele tende a minar e obscurecer o ensino da Bíblia de que “os mortos não sabem coisa nenhuma” (Ec 9:5), e que a morte é como um sono (Jo 11:13; lTs 4:13). O pior é a contribuição para a idéia de que existe vida fora do corpo e a insinuação de que os vivos podem fazer contato com os mortos.

O mundo do espírito e espiritualismo

A popularidade de programas de TV, apresentando supostos contatos sobrenaturais com os assim chamados espíritos de pessoas mortas, mostra claramente que o espiritismo está amplamente disseminado na cultura ocidental.
A Bíblia, porém, de forma clara e direta, se posiciona contra essa atividade: “Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os advinhos, que chilreiam e murmuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos? À lei e ao testemunho! Se eles não falarem desta maneira, jamais verão a alva” (Is 8:19,20).
Quando Isaías escreveu essas palavras, as Escrituras consistiam na Lei (o Pentateuco) e no testemunho dos profetas. Tais fontes são dignas de nossa confiança porque representam a voz de Deus para Seu povo. Neste mundo, não faltam “vozes” que pretendem cativar nossa atenção por meio da literatura e de outros veículos. No entanto, muitas delas não merecem nosso crédito porque são “inspiradas” em fontes esquematizadas pelo diabo, para nos levar ao erro.
A voz de Deus, que se expressa por meio de Seus mensageiros inspirados, é a única fonte em que podemos confiar plenamente. Infelizmente, ”cada dia acrescenta suas lastimáveis evidências de que a fé na segura Palavra da Profecia está em declínio, e que em seu lugar superstições e satânicos enganos estão cativando a mente de muitos” (Ellen G. White, Profetas, e Reis, p. 210). Satanás maquina diferentes enganos para diferentes classes de pessoas. Aqueles que nunca imaginaram visitar uma seção mediúnica, agora são seduzidos a observá-las pela televisão. E podem ficar fascinados com os prodígios, mesmo os que sabem que estão diante de uma manobra que contraria a Bíblia.
O engano básico do pensamento da Nova Era é que todas as pessoas têm poderes espirituais dentro de si, os quais apenas aguardam para ser acionados. Essa suposta sabedoria, que apela para nossos desejos egoístas, é realmente terrena, animal e demoníaca (Tg 3:15). A repetição feita pelos meios de comunicação pode fazer com que mensagens como essa passem a ter lugar comum em nossa mente, deixando-a insensível ao perigo e incapaz de reconhecer as operações de Satanás. Estamos sujeitos a ser influenciados por algumas dessas mensagens e a considerar menos interessante o estudo da Bíblia. Além disso, Satanás não se incomoda tanto com o tipo de engano que utiliza para nos atrair. O que importa a ele é que sejamos atraídos. Felizmente, a Palavra de Deus nos esclarece a verdade e, por meio dela, podemos reconhecer as mensagens ao nosso redor que conduzem para o mal e ainda saber qual é seu propósito.
Esses são os espíritos que nos combatem: não espíritos de pessoas mortas, mas de anjos maus. “Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Ef 6:12). Nossos reais inimigos são seres que não podemos ver e que estão tentando nos afastar de Deus. Existem, igualmente, exércitos espirituais prontos a nos defender contra as forças do mal. A guerra que começou no Céu chegou até nós (Ap 12:13), tornando toda a Terra o campo de batalha do Universo.

Anjos e espiritualismo

Alguns pensam que os anjos estão apenas aguardando nossa palavra de comando, e tudo o que precisamos fazer é ordenar-lhes para que entrem em ação. Pode ser verdade; mas, nesse caso, podemos estar tratando com outro tipo de anjos! Anjos maus nos enganarão e nos usarão, se permitirmos.
Os anjos de Deus não operam desse modo. Eles não podem ser manipulados por nossos caprichos e não estão interessados em prestar serviço a nossos propósitos egoístas. No Jardim do Getsêmani, Jesus disse a Pedro que Ele poderia dispor de, no mínimo, doze legiões de anjos (72 mil!). Mas não disse que convocaria os anjos. Em vez disso, Jesus disse: ‘Acaso, pensas que não posso rogar a Meu Pai, e Ele Me mandaria neste momento mais de doze legiões de anjos?” (Mt 26:53). Jesus não realizou nada sem primeiro saber qual era a vontade de Seu Pai. Se Ele não chamou anjos para ajudá-Lo, temos nós algum direito de fazê-lo?
Jesus também nos ensinou que o último engano teria o propósito de iludir os escolhidos, “se possível” (Mt 24:24). Em Apocalipse, vemos Satanás e seus aliados enviando espíritos imundos para enganar os habitantes da Terra. Esses espíritos operam milagres para iludir o máximo de pessoas e agrupá-las num exército para enfrentar Deus na batalha do Armagedom. Assim, antes da volta de Jesus, espíritos demoníacos operarão milagres para enganar aqueles que preferem confiar e acreditar no que vêem em vez de aceitar o testemunho dos profetas. Como Satanás pode se transformar em anjo de luz (2 Co 11:14), seres espirituais podem assumir várias aparências, inclusive fazer de conta que têm piedade religiosa (ver O Desejado de Todas as Nações, p. 256). Através de agentes humanos, os demônios de Apocalipse 16 atuarão na cura de enfermos e trarão “revelações” que contradizem as Escrituras (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 624).
A Bíblia é clara: os mortos não sabem coisa nenhuma. Nossos reais inimigos são os espíritos das trevas, anjos maus, que rodeiam a Terra com enganos que incluem os milagres orquestrados por Satanás. Está diante de nós a montagem do cenário para a terrível e última mentira que atrairá o mundo. Para que estejamos protegidos contra ela, necessitamos prestar atenção à clara orientação da Palavra de Deus com respeito ao que acontecerá e dar os passos necessários para RESISTIR aos esquemas satânicos.

Talvez o acróstico seguinte (baseado na palavra inglesa “RESIST”) possa nos ajudar:

*Reconhecer o inimigo, incluindo suas muitas vozes. Mesmo Jesus só foi capaz de fazer isso por meio das Escrituras (Mt 4) .
*Excluir todo mal que Satanás pode introduzir. Conhecendo Jesus pessoalmente, não de segunda ou terceira mão (At 19:13-18), teremos coragem para eliminar de nosso lar qualquer influência que possa permitir aos anjos maus um ponto de apoio para que eles permaneçam conosco (At 19:19).
*Submeter a Deus nossa vida e cada coisa que temos (Tg 4:7). Agindo assim e convidando a presença de Deus para o nosso lar, Satanás será obrigado a sair.
*Interceder (em oração) por nós mesmos, por pessoas queridas e pelos outros, incluindo nossos inimigos. Algumas influências más são tão fortes que serão eliminadas somente com persistente oração e desprendimento (Mc 9:29; Ef 6:18).
*Sondar a Palavra de Deus (por meio de seu estudo). Muitas peças da armadura disponível para nossa proteção espiritual são relacionadas por Paulo e estão à nossa disposição (Ef 6:14-17), mas a Bíblia é a única arma – no seu sentido exato – que é mencionada. Para ser eficaz, ela não deve ser controlada independentemente por mãos humanas, mas pelo Espírito Santo em nós (v. 17).
*Transmitir a verdade a outros, que também serão capazes de ensinar a outros (2 Tm 2:2). Desse modo, a obra do reino de Deus derrubará as fortalezas de Satanás e preparará o caminho para o retorno de Cristo (2 Co 10:3-5).
Clinton Wahlen é diretor associado do Instituto de Pesquisas Bíblicas da Associação Geral. Ele também serviu como editor associado do Journal e é o autor de Jesus and the Impurity of Spirits in the Synoptic Gospels, publicado por Moh Siebeck. Artigo publicado na Revista Adventista de Outubro/2008. 

Sétimo Dia